História

A Torre de Hércules é o único farol romano que desde as suas origens até a actualidade cumpriu a sua função antiga, a de servir de sinal marítimo, instrumento de navegação para as embarcações que na sua travessia atravessavam e atravessam o Oceano Atlântico.

Foi construído com toda a probabilidade na segunda metade do século I ou nos princípios do século II d. C. pelo Império Romano, no finis terrae do mundo conhecido, para acompanhar os barcos que contornavan o extremo mais ocidental do Império.

Localiza-se no NO da Península Ibérica, na região da Galiza, na província da Corunha e na cidade de A Corunha.

O lugar eleito para a sua localização foi uma lomba rochosa, denominada como Punta Eiras, de quase 57 metros de altura, que se encontra entre a Punta Herminia e a Punta do Orzán, no extremo setentrional da península na qual se encontra a própria cidade de A Corunha.

Quando os romanos construíram a Torre, escolheram uns terrenos que faziam parte de um espaço de culto ou santuário indígena. Era frequente que os celtas consagrassem promontórios costeiros a divindades assimiláveis a Hércules. Para além disso no caso corunhês dá-se a coincidência de que as três rochas que se situam no mar, em frente da Punta Eiras, são conhecidas como Boi, Vaca e Bezerro, os mesmos topônimos que se repetem no santuário de Kenmare, na costa SO de Irlanda, onde as tradições localizam a ilha de Donn ou dos Mortos. Portanto, os terrenos que rodeiam a Torre tinham na época pré-romana um santuário vinculado às crenças que corroborava o carácter sagrado de toda a zona.

Quando se construiu a Torre, esta ficava afastada da cidade romana de Brigantium que deu origem à Corunha, mas com o passo do tempo a distância foi reduzindo-se até desaparecer e na atualidade a Torre está integrada na própria cidade mas dentro dum grande parque urbano que ocupa 50 hectares de território livre de edificações, definido como área de especial protecção de zona verde.

Mais informação sobre a História do farol